19 de março de 2018

[Resenha] Demônio ou Anjo

Título: Demônio ou Anjo (livro 3)
Autora: Anne Holt
Editora: Fundamento
Páginas: 264
Ano: 2017
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora


Sinopse: A chegada de Olav, um garoto de 12 anos, a um orfanato nos arredores de Oslo causa grande desconforto a todos que vivem lá. E mais ainda à rígida diretora da instituição, Agnes Vestavik, que vê algo aterrorizante no olhar do menino: puro ódio. Quando Agnes é encontrada morta com uma faca de cozinha cravada nas costas – e Olav desaparece –, o caso vai para a investigadora Hanne Wilhelmsen, recentemente promovida a inspetora chefe da Polícia de Oslo.

Uma criança pode ser um assassino? A polícia vasculha a cidade em busca de Olav, o principal suspeito. Mas Hanne, trabalhando com o desbocado detetive Billy T., quer saber mais sobre os funcionários do orfanato e sobre o passado de Agnes. Só que, apesar de ser uma brilhante detetive, Hanne está sendo uma negação como chefe: não consegue delegar tarefas, reunir informações ou compartilhar responsabilidades.

Será que Hanne aprenderá a confiar nos outros antes que tudo se torne confuso demais e isso acabe por tirá-la do rumo – no trabalho e na vida pessoal?

Resenha
"Ele era muito grande. E eu sabia que havia algo errado. Eles o colocaram nos meus braços e eu não senti alegria nem tristeza. Apenas impotência. Uma enorme e pesada impotência, como se houvesse algo imposto a mim que todo mundo sabia que eu jamais dominaria."
A mãe de Olav percebeu desde o seu nascimento que havia algo de errado com ele, tentou alertar aos médicos, pediu ajuda, mas ninguém acreditou. Então ela passou anos e mais anos sem saber o que fazer com o filho, sem saber como reagir diante de seus ataques de fúria, sem conseguir impor algum limite a ele. Olav sempre fez o que tinha vontade e a mãe nunca contrariou. Era mais fácil permitir a negar e começar uma briga.

Agora Olav tem 12 anos e foi diagnosticado com DCM (Disfunção Cerebral Mínima). O Serviço de Assistência ao Menor entendeu que a mãe não tem a menor condição de criar Olav e o encaminhou para um orfanato. Obviamente isso mexeu com os dois, a mãe ficou indignada, tanto tempo pedindo socorro e quando alguém ajuda e para levá-lo embora. Ele ficou inconsolável, queria estar ao lado da mãe.
O orfanato para o qual Olav foi levado é o último para onde se levam as crianças, só vão parar lá as crianças problemáticas, aquelas que ninguém mais consegue lidar. Ao todo são oito crianças e cada uma com a sua personalidade forte, mas Olav chegou mudando tudo, desde as crianças aos funcionários. No orfanato as vontades dele não são feitas e isso é um problema para ele.

Olav não interage com os demais, mas parece ter alguma empatia com um menino mais novo. Tenta ajudá-lo algumas vezes, ao seu modo torto, mas tenta. Ele não gosta dos adultos, nenhum deles o entende e ele se sente confrontado. A única funcionária que é capaz de vencer as barreiras do garoto é Maren, ela sempre defende as crianças, diferentemente da diretora do orfanato que é muito rígida e não permite deslizes.
Olav teve uma forte discussão com a diretora, desde que ele chegou a tensão na casa só aumenta. Olav não respeita ninguém, sempre debatendo, ofendendo, agredindo (física e verbalmente). Então, uma noite ele resolve fugir de lá, mas justamente nessa noite a diretora do hospital é encontrada morta em sua sala. Olav fugiu por ter assassinado a diretora ou por ter visto o assassino? Todos sabem que ele não se sentia à vontade lá, mas isso seria motivo suficiente para levar um garoto de doze anos a fugir ou ele teria sido coagido?

A policia segue diversas linhas de investigação, a vida da diretora continha alguns segredos e quanto mais eles avançam, mais encontram motivações para alguém querer matá-la. A polícia precisa encontrar Olav e precisa descobrir o autor do crime; muitos mistérios envolvendo aquela fatídica noite ainda estão ocultos e encontrar Olav pode trazer a solução. Se ele é o assassino ou não a polícia ainda não sabe.
Minha impressão
Eu conheci a escrita de Anne Holt recentemente e adorei, já quero ler os outros livros da autora. Eu li Números de Azar (resenha aqui) e fiquei muito empolgada, então comecei a ler Demônio ou Anjo já cheia de expectativas e não me decepcionei. É um ótimo livro policial, cheio de suspense e mistérios, com cenas intrigantes e uma trama que nos deixa instigados cada vez mais.

A Hanne Wilhelmsen é a inspetora que está à frente desse caso, ele é uma ótima detetive, a melhor de Oslo, mas está encontrando dificuldades em atuar como inspetora. Sua liderança chega ao ponto de ser contestada e ela vai precisar contornar a situação, o que requer confiar mais em seus subordinados e ter pulso firme para lhes dar tarefas das quais ela sabe que pode fazer, mas que tem outras responsabilidades agora e precisa deixá-los cumprir suas obrigações. Além disso, seu relacionamento com Cecile entrou em está cada vez mais complicado, elas se amam muito, mas a divergência de opiniões só aumenta.

Eu gostei muito de como a autora apresentou os fatos sobre o assassinato da diretora e ao longo da trama foi inserindo novas pistas, muitas para confundir. Desde o começo somos levados a acreditar em um suspeito e depois descobrimos informações bem relevantes sobre os funcionários e sobre a vida da diretora, o que aumenta a lista de suspeitos. A cada pista uma nova dúvida, mas aquela primeira dúvida nunca é jogada de lado, pelo contrário, fica cada vez mais evidente.

O final não foi bem como eu esperava, quer dizer, eu já havia descoberto cedo o culpado pela morte da diretora, mas o que aconteceu com ele foi inesperado para mim. Eu realmente queria um final diferente para tal personagem, mas gostei da maneira como a autora finalizou a trama. Aliás, a culpa nesse caso pode ser subjetiva. O autor do crime é o assassino, claro, mas mais de uma pessoa pode se sentir culpada por ele.

Eu me viciei nos livros da Anne Holt, são muito bons. Livros policiais são os meus preferidos e encontrei uma nova autora queridinha. Ah, preciso dizer que apesar deste ser o terceiro livro, os volumes são independentes e isso é muito bom, dá para ler porque são casos diferentes.

Minha nota para o livro

9 comentários:

  1. Oi, Bia! Td bem?!

    Infelizmente minha experiência com a escrita da Anne Holt não foi tão prazerosa. Eu li o livro 1222, e não gostei muito de como tudo foi acontecendo. Mas fico feliz em saber que você se identificou com a autora e está disposta a ler os demais livros dela.

    Enfim, sobre 'Demônio ou anjo', achei a temática da obra bem interessante e fiquei curiosa para saber mais a respeito de Olav e também sobre o assassinato da diretora. Quem sabe um dia eu não dou uma nova chance para a autora, não é mesmo?!

    Beijão e boa semana!
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Tenho descoberto um novo amor nos livros policiais. antes eu não ligava muito, mas quanto mais eu leio esse gênero, mais gosto e esse me deixou com o coração acelerado já em sua resenha. Espero ter a oportunidade de o ler em breve.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Esse gênero policial ainda não me oegou muito bem, mas eu continuo com a ideia de me aventurar a ler alguns livros do estilo. Eu achei a premissa da história bem interessante, principalmente pelo principal suspeito ser uma criança tão nova e que já apresenta problemas.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  4. Olá Beatriz, como vai?
    Eu amo filmes do gênero policial e a cada nova resenha de livros desse gênero fico mais interessada em lê-los, tenho alguns ainda na estante esperando para serem lidos..rs!
    Esse livro parece ser incrivel mas, o fato de descobrir que é o assassino logo no começo me deixou um pouco desinteressada na leitura, gosto de descobrir tudo no final, assim, posso montar as minhas próprias teorias.

    Beijos e abraços
    http://vickyalmeida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá , fiquei curiosa para ler esse livro eu não sabia que era um livro de suspense e investigação jurava que era terror pelo título. Dica anotada

    ResponderExcluir
  6. Oi Beatriz, tudo bem?
    É a segunda resenha que leio deste livro e estou super curiosa com a leitura. Tanto pelo enredo, quanto pela autora, ainda mais que o livro não se passa nos Usa! é bom conhecer outros espaços através da literatura! Adorei a resenha e dica anotada!
    http://colecionandoromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas esse é um gênero que ainda tenho dificuldade. Venho procurando ler mais suspenses, porém, não é todo livro que desperta minha curiosidade e esse livro foi um dos que não me atraíram. Não gosto muito de livro do gênero que envolvem crianças na trama e a premissa acabou não me instigando a ler.
    Porém, adorei sua resenha, a forma sincera com que você falou do livro e as fotos. Fico feliz que tenha gostado da leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oi Bea,fico um pouco com o pé atrás em relação a escrita dessa autora pois sempre leio opiniões controvérsas sobre a escrita dela, mas fiquei curiosa em relação a essa obra e confio na sua palavra, fiquei curiosa.
    Beijooo

    ResponderExcluir
  9. Oi, bia! Eu nunca tinha ouvido falar nessa autora, não que eu lembre, e fiquei bem instigada por esse livro, principalmente por abordar uma criança problemática, o que é bem diferente. Gostei de saber que as pistas plantam dúvidas nas nossas cabeças, gosto desse tipo de enredo que me tortura e me deixa ansiosa rs.

    ResponderExcluir