7 de março de 2018

[Resenha] A Morte Usa Gravata

Título: A Morte Usa Gravata
Autor: Brian A. Copolla
Editora: Pandorga
Páginas: 272
Ano: 2017
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora


Sinopse: Trabalhar num escritório nunca foi uma tarefa fácil e prazerosa, mexer com papéis o dia inteiro pode vir a se tornar estressante, pior ainda quando o escritório em que você trabalha é o da Morte, onde os óbitos nunca param de chegar. O trabalho de Morte é igual o de mãe, nunca acaba. O pior de tudo é que você já não pode ser demitido por falecimento, afinal, já morreu! Bem, mas nem só de tristeza e luto a morte vive, se não fosse por ela, Brian talvez nunca tivesse feito amizade com Sauro, que sem dúvida é a morte mais extravagante do ramo (e o mais folgado também). Sauro, como todo bom cidadão, odeia seu trabalho, vive fugindo das responsabilidades e chegando atrasado. Sim, isso mesmo, a morte tem vários funcionários, e sempre há vagas para novos candidatos! Então venha, deixe a gravata te enforcar, arrume seu paletó de madeira e junte-se ao serviço! Ou, pelo menos, se não conseguiu entender nada do que está acontecendo, dê uma pequena olhada no além, do outro lado da vida. Vamos, chegue mais perto, leia e descubra. Mas, tome cuidado, é só você se distrair que eles vão te forçar a ficar até depois do expediente!

Resenha
Brian é um homem solitário e completamente metódico. Ele trabalha em um supermercado e não costuma sair de casa para ter algum lazer, é basicamente do trabalho para casa. Ele é muito apegado a bens materiais e gasta boa parte do seu dinheiro comprando coisas inúteis, mas a maioria de seu pagamento vai para as prostitutas que ele contrata diariamente, nem mesmo comida ele tem em casa - a não ser enlatados e coisas rápidas, claro.

Apaixonado pela sua vizinha, ele nunca teve coragem de revelar seus sentimentos a ela, então sofre calado ao vê-la constantemente ao lado de seu namorado. Brian teve uma infância muito difícil e não conseguiu superar, sua mãe foi morta a facadas pelo próprio pai e ele presenciou. O trauma o acompanha desde então. Mas as coisas estavam prestes a mudar, logo logo ele teria um encontro marcado com a morte.
"— A maioria pede perdão, mais uma chance, querem se despedir. Fazem propostas e trocas. Nem sequer conversam. Todos chatos. Você acabou de acordar e não está chorando, isso já salvou o meu dia. Pensa num povinho arrependido!"
Depois de um dia exaustivo no trabalho, tudo o que Brian queria era ir para casa descansar, mas seus planos foram interrompidos por um acidente de ônibus que o matou. Ao despertar, completamente atordoado, ele se depara com uma figura inusitada, Sauro, o homem estranho que estava no ônibus pouco antes do acidente.

Sauro se apresenta como sendo a morte, explica ao Brian como ele morreu e diz ter uma proposta para lhe fazer. Sauro conta que estão precisando de mais pessoas para o serviço e quer recrutá-lo para trabalhar a mando da morte.
A partir disto, a rotina de Brian muda completamente. Ele começa a estagiar e vai descobrindo coisas sobre a vida e a morte, quanto mais ele conhece mais dúvidas surgem. Sauro mostra tudo o que é preciso para ser uma ceifador e prepara Brian para o trabalho.

Nessa sua nova jornada, Brian começa a se questionar sobre o porquê de nenhum ceifador tentar impedir a morte das pessoas, eles têm o poder em suas mãos, estão presentes nos piores momentos e não fazem nada; contudo, conforme passa a conhecer mais sobre o seu novo trabalho ele também entende que se interferir no destino de uma pessoa as coisas podem ser ainda piores.
Minha impressão
Eu não tive uma boa experiência com a leitura e vou explicar o meu ponto de vista nos próximos parágrafos. Pela sinopse eu esperava encontrar um livro mais voltado para a comédia, as primeiras páginas até me deixaram animada, mas o que encontrei foi um enredo forçado e incoerente.

Sauro foi o personagem que mais me irritou. Ele é asqueroso e a sua personalidade foi moldada de maneira a parecer engraçada, ele fala cheio de ironias e piadinhas, é difícil encontrá-lo falando sério. Comecei a detestá-lo mesmo quando ele fala como foi a sua primeira experiência sexual, o autor descreve uma cena de sexo entre duas crianças - a menina tinha 12 anos - e Sauro diz que a garota era muito mais experiente e lhe ensinou as coisas.

Gaspar e Rocco são outras mortes e as suas personalidades também são tão ridículas quanto a de Sauro. Não sei qual é o pior. Existem diálogos entre eles inseridos na trama que fazem críticas sociais, talvez as próprias características das mortes tenham sido trabalhadas para isso, mas foi onde achei forçado, conversas e situações que apontavam alguma crítica justamente com os personagens sem escrúpulos.

O enredo poderia ser melhor construído e desenvolvido, tem uma boa premissa e com uma visão melhor trabalhada poderia ter sido muito bom. Mas tem alguns furos na própria base da história. No contrato da morte está especificado que não pode trabalhar menor de idade, em uma cena mais para frente uma morte de 11 anos aparece. No começo o Sauro fala para o Brian que eles têm todas as informações da pessoa que vão confirmar a morte, depois aparece outra cena onde ele fala que não sabe quem vai morrer, eles apenas vão para o lugar e observam o relógio da morte e esperam algo acontecer. Existem muitas incoerências dentro da trama, esses exemplos foram só alguns.

Me incomodou demais ter situações inseridas sem a menor necessidade para o desenvolvimento da história, parecem ter sido jogadas só para chocar o leitor. Coisas como o assassinato de criança de maneira brutal, com violência sexual, e o estupro de uma mulher. No caso dessa mulher a reação dela foi absurda, uma vítima de estupro jamais vai querer ter contato físico com outro homem instantes depois de sofrer a violência, muito menos transar, essa mulher toda machucada e cheia de hematomas se joga em cima do homem que a salvou e ela o leva para a cama.

Eu queria falar muito mais, foram tantas coisas que me desagradaram na leitura que se eu fosse falar com detalhes essa resenha ficaria ainda maior do que já está. Mas eu quero deixar bem claro que essa é a MINHA opinião e cada pessoa se comporta de maneira diferente diante de um mesmo livro, para mim foi uma leitura ruim, mas para você pode não ser.

Minha nota para o livro

10 comentários:

  1. Olá, Beatriz!

    Nossa, é triste quando um livro acaba nos decepcionando, né? Pelo o que contou sobre o que não te agradou, acredito que não me agradaria também, aliás, não senti vontade de ler justamente por pensar que me sentiria da mesma forma que você. Uma pena, mas que os próximos livros possam ser mais animadores.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Confio na sua opinião! Eu achei a capa e a diagramação desse livro tão lindas... uma pena ele não ser tudo isso =/

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  3. Gostei do enredo, mas a capa deixa muito a desejar e como não leio sinopse não iria estranhar a falta de humor na narrativa, mas ninguém merece enredo forçado e muito pertinente sua observação sobre as criticas sócias vindo de pessoas sem escrúpulos. Não encararia tal leitura, uma pena.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Beatriz!
    O livro não me agradou nenhum pouco, realmente essa coisa de uma mulher estuprada ter contato com outro homem dessa maneira, desse jeito, desnecessário. Parece que o autor não entende nem um pouco a respeito do assunto.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Que decepção eu acabei de ter. Eu vi a capa e título fiquei tão animada. Adorei o título. E a capa ficou muito legal. Mas por tudo que você pontou do livro não quero nem saber. Tenho pavor de enredo que colocam cenas de estupro só para chocar. Não, nenhum mulher vai transar logo depois de ser estrupada.
    Esse é um daquelas livros que está tudo errado.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Socorro, vou passar longe. Quando você estava apenas falando da história eu tinha achado interessante, mas quando começou a expor sua opinião me deu vontade de vomitar. Sério, a mulher passa por um estupro e logo em seguida quer transar com outro cara? E esses erros de dizer algo e depois contradizer? Isso me enlouquece. Não vou nem comentar sobre o resto, a única coisa que sei é que nunca vou chegar perto desse livro.

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Eu já não me interessei pela premissa do livro, mas lendo sua resenha já tenho certeza que é uma leitura que iria me desagradar muito. Parece ter várias incoerências e percebi muitos aspectos que me incomodariam tanto quanto te incomodaram. Em especial, achei absurdo ter uma cena de relação sexual entre duas crianças (uma menina de 12 anos é sim uma criança) e fiquei revoltada com a reação da personagem que foi estuprada.
    Uma pena que o livro tenha tantos problemas, mas adorei a sinceridade de sua resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Olá, ainda não conhecia esse livro. Pelos primeiros parágrafos, até estava achando o enredo interessante, mas é uma pena que haja tantos furos e outras coisas desagradáveis na trama.

    ResponderExcluir
  9. Ola
    Qdo vi a capa nas redes sociais achei bem bonita, mas não conhecia a história, se fosse como o filme R.I.P.D. com ceretza iria adorar, mas as suas impressões me fizeram recuar.
    Sei que cada um tem uma opinião após a leitura, eu mesmo já dancei ao ler resenhas maravilhosas de dois livros famosos e me decepcionei com a leitura.
    Masss a vida e a leitura seguem e espero que suas próximas leituras te agradem.
    Bjus

    ResponderExcluir
  10. Oi Beatriz, tudo bem? Nossaaaaa, já estava pronta para colocar o livro na minha lista de futuras leituras, mas sua opinião me deixou triste ao mesmo tempo que aliviada por não deixar meu tempo nas mãos de um livro que me decepcionaria. Entendi todos os seus argumentos e confio muito em sua avaliação. Agradeço demais pela sinceridade e dica, mais um para minha lista negra. Beijos


    Nara Dias
    Viagens de Papel

    ResponderExcluir