13 de dezembro de 2017

[Resenha] O Melhor Que Podíamos Fazer

Título: O Melhor Que Podíamos Fazer
Autora: Thi Bui
Editora: Nemo
Páginas: 330
Ano: 2017
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora


Sinopse: Esta é uma história sobre a busca por um futuro melhor e saudosismo pelo passado. Explorando a angústia da imigração e os efeitos duradouros que o deslocamento tem sobre uma criança, Bui documenta a difícil fuga de sua família após a queda do Vietnã do Sul, na década de 1970, e as dificuldades que enfrentaram para construir uma nova realidade. O melhor que podíamos fazer traz à vida a jornada de Thi Bui em busca de compreensão e fornece inspiração a todos aqueles que anseiam por um futuro melhor enquanto recordam o passado de privações.

Resenha
28 de Novembro de 2015, Thi Bui estava em trabalho de parto e sofria no hospital com a pressão que lhe era imposta, nada foi natural, foi um parto violento. Thi era jovem, não sabia nada sobre ser uma mãe e precisou lidar com um tratamento nada humanizado dos médicos e enfermeiros. Ela recebeu o apoio de seu marido e de sua mãe, quando o seu filho nasceu Thi sentiu uma forte empatia pela mãe, uma mulher que já havia sofrido muito na vida e que estava ali ao seu lado para ajudá-la.

E assim começa o livro, cheio de tensão e emoção que continuam pelas páginas seguintes, onde Thi nos conta a trajetória de seus pais e como a sua família imigrou para os Estados Unidos. A relação de Thi com os pais era um pouco delicada, eles se davam bem, mas havia certos receios e um pouco de distanciamento. Ao compreender o que realmente aconteceu para que chegassem até onde estavam ela percebeu que os seus pais fizeram o melhor que puderam para manter a família unida e viva.
Um dos maiores mistérios era a vida de seu pai, ele não falava muito sobre o passado e tinha respostas vagas. Mas quando Thi aprendeu a fazer as perguntas certas ele lhe deu todas as respostas. O resultado foi uma história triste, mas ao mesmo tempo de superação e força. Uma criança que viveu os horrores da guerra e precisou aprender a crescer para sobreviver.

Nan (pai de Thi) teve uma infância muito dura, presenciou as agressões do pai contra a mãe e também sofreu com essa violência. Cresceu sem amor, tendo que dormir no frio, comendo pouco (quando comia) e sem sabe se estaria vivo no dia seguinte. A guerra estava cada vez pior e as consequências dela eram desastrosas, até mesmo (ou ainda mais) para as crianças.
A mãe de Thi vinha de uma família com uma condição financeira mais favorável, ela era estudiosa, recebeu uma boa educação e tinha planos para o futuro. Mas quando conheceu o pai de Thi todos os seus planos mudaram. As coisas começaram a ficar difíceis, a guerra matando cada vez mais pessoas. De repente, a situação financeira do casal despencou, surgiram os filhos, a fome, o medo.

A família teve que sair do Vietnã, não foi uma viagem fácil e precisaram, se arriscar, deixar para trás o que conheciam para se embrenharem em meio ao novo, em um país distante. Quando chegaram aos Estados Unidos começava uma vida nova, mas toda  aflição ainda os perseguiria por algum tempo até eles se estabelecerem, conseguirem empregos fixos e uma casa própria. Foi complicado e difícil no começo, mas aos poucos eles foram se ajeitando.
Minha impressão
Essa graphic novel é linda, sensível. Thi nos conta a história de sua família em um relato emocionante e envolvente. Acompanhamos as descobertas dela sobre o passado de seus pais e podemos ver pelos olhos deles como foi a guerra no Vietnã e como eles saíram de lá às pressas ao imigrarem para os Estados Unidos.

A autora conta como a sua família foi gerada, o nascimento de cada um dos irmãos, as dificuldades que os seus pais precisaram enfrentar para seus filhos ficarem seguros. Quando ela descobriu tudo isso, finalmente entendeu seus pais e os seus traumas. Quando Thi teve um filho ela ficou com medo de passar para ele toda essa bagagem pesada, assim como aconteceu com ela. 

As ilustrações são marcantes, com traços fortes e detalhados e vermelhos em tonalidades intensas, com preto e banco em medidas que deixam tudo ainda mais acentuado. 

"O melhor que podíamos fazer" é rica em história e traz mensagens importantes e inspiradoras em suas páginas. Uma obra impressionante, que toca o coração do leitor. 

Minha nota para o livro

12 comentários:

  1. Nossa, além de ser uma história ilustrada, ainda é real! Estou realmente surpresa. Parece ser também uma história com uma carga emocional bem alta, né? Gostei muito da sua resenha!

    ResponderExcluir
  2. Que resenha maravilhosa 😍
    Não conhecia o livro. Parece ser uma leitura bem forte, coitada da moça ter tido um parto violento - fiquei chocada -
    Amo livros com ilustrações, esse parece ter ilustrações lindas.
    Amei a resenha. Beijos ❤

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia essa obra, quando olhei a capa n pensei q fosse quadrinho, os traços são tao lindos 😍 Parabéns pela resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Eu também tive a oportunidade de ler essa graphic novel e concordo com você: é um relato extremamente sensível. Amei ler e conhecer a história da família da Thi e ter uma visão bem diferente da que tinha sobre o Vietnã.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  5. oi, Beatriz. Não conhecia essa HQ mas fiquei super interessada em fazer a leitura, ainda mais por sua ambientação no Vietnã do sul... vou adicionar em minha lista de desejados e espero poder apreciar a obra... as imagens são intensas...
    bjs...

    ResponderExcluir
  6. Oi! Eu adoro graphic novels, e não conhecia esta.
    Acho muito interessante quando uma obra recente procura abordar um tema histórico, pois nos aproxima dessa realidade. Não conheço nenhum livro que retrate a situação da guerra no Vietnã, então com certeza vou anotar a dica aqui. Obrigada pela indicação!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Já tinha visto esse livro, ms não sabia que era uma Graphic Novel, a história parece ser bem intensa e triste, mas cheia de mensagens e inspirações. Gostei das suas impressões, me deixou co vontade de conhecer essa família guerreira e me emocionar!

    beijos!
    blogdatahis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Beatriz! Tudo bem?
    Já tinha visto a capa dessa graphic novel, mas não imaginava que se tratava de uma história tão emocionante. Adoro história sobre famílias, principalmente em um caso como este em que há tanta bagagem de uma geração para outra. Além disso, pelas suas fotos dá para perceber que o traço é muito bonito e marcante.
    Adorei a resenha e, com certeza, vou anotar a dica de leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oii! Nossa, parece ser uma história emocionante e muito bonita. Eu já tinha visto essa capa, mas não sabia do que se tratava a história e me surpreendi com a sua resenha. Adoraria ler a trajetória dessa família, as ilustrações estão muito bonitas. Ótima resenha e irei anotar sua dica, bjss!

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Adorei essa HQ e o fato de a história ser real, sem dúvida agrega ainda mais valor a ela. Fico feliz que tenha gostado e adoraria acompanhar a trajetória dessa família. Adorei o projeto gráfico que foi feito nessa obra!

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  11. Oie
    essa capa é muito maravilhosa e adorei ler a resenha pois ainda não havia lido nenhuma do livro e é hq que quero faz um bom tempo, a resenha só em ajudou a desejar ainda mais, amei a dica e que bom que gostou tanto

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oii
    Adoro ler esse tipo de HQ, que mostra uma história emocionante e traz ensinamentos. Gostei muito dessa, lerei quanto tiver oportunidade!
    Bjus

    ResponderExcluir