10 de outubro de 2017

[Resenha] A Jornada de Tony Farkas - Operação Guarulhos

Título: A Jornada de Tony Farkas - Operação Guarulhos (Livro 01)
Autor: R G Werther
Editora: Autografia
Páginas: 272
Ano: 2017
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora


Sinopse: O ano é 2070, num Brasil distópico e desesperançoso, após ter sido vítima de uma terrível invasão. Depois de ouvir uma curiosa e estranha mensagem no antigo rádio de seu falecido pai, a qual dizia que Brasília era o último lugar seguro em todo o país, Tony Farkas reúne coragem para fazer suas malas e seguir viagem até o Aeroporto Internacional de Guarulhos com o seu estimado cão Max. No meio do caminho, ele descobre que não é o único carioca vivo no Rio de Janeiro. Ele encontra outros jovens que vivem nas mesmas precárias e perigosas condições que ele – com escassez de comida, água potável e segurança. Pois com o país sitiado as ruas não são mais seguras. No entanto, Tony consegue convencer seus novos amigos a seguirem-no até Guarulhos. Até que a verdade, durante a viagem, o deixa tão perplexo assim como atordoado, e tudo o que ele pensava saber sobre a guerra e a invasão, de repente, muda. Numa história cheia de aventura, romance intrigas e traições, Tony Farkas terá uma difícil missão pela frente, e seu futuro é tão incerto quanto improvável.

Resenha
A Terceira Guerra Mundial teve inicio no ano de 2045. Japão, Inglaterra e França formaram uma aliança contra Afeganistão e Iraque. Nova York e Paris foram atacadas e a aliança reage, metade do oriente médio foi destruído. Os ataques com ogivas nucleares desequilibraram o planeta, em 2046 as calotas polares começaram a derreter aceleradamente.

Surge um acordo entre os países do hemisférios sul para abrigarem os imigrantes do norte. Com o passar do tempo a situação do planeta fica cada vez pior. A guerra estava longe de terminar. O Brasil vivia tempos difíceis, a chamada Manobra Limpeza deixou a população apavorada, um genocídio acontecia. Pessoas viviam trancas em suas casas, com medo de saírem às ruas. Em pouco tempo, o fato de estar vivo era visto como perigo para quem estivesse no comando e patrulhas eram feitas diariamente para matar a quem encontrassem.
Quando os pais de Tony Farkas morreram, ele ficou sozinho e se escondeu em sua casa durante muito tempo. Apenas saía (muito rapidamente) quando via que era seguro e somente para buscar alimento. Um certo dia ele encontrou um cachorro e o nomeou de Max (referências ao filme Mad Max). Os dois se entenderam e se tornaram grandes amigos.

Em 2069, Tony ouve uma gravação clandestina, uma mensagem que dizia haver outras pessoas vivas. A gravação informava que um avião estaria esperando por sobreviventes no aeroporto de Guarulhos todos os sábados e os levaria para Brasília, o último lugar seguro. Em 2070, Tony decide que chegou a hora e, ao lado de seu amigo Max, parte rumo a um destino incerto.
Não muito longe, Tony é encontrado por milicianos e o que acontece logo depois o surpreende. Quando já estava sem saídas, Tony é salvo por um grupo de sobreviventes. No começo nenhum dos lados confia no outro e Tony precisa contar os seus planos ou eles não o soltariam. O grupo é grande e o acolhem prontamente. Paco, o líder, não simpatiza com Tony e dificulta a sua estadia.

Tony Farkas fica com o grupo para se recuperar, no entanto, seu plano de ir a Guarulhos ainda está de pé. O que ele não esperava era ganhar seguidores. Sua história sobre a gravação traz à comunidade um fio de esperança e as pessoas precisam disso. Tony deverá tomar algumas decisões muito importantes antes de partir. Mas a sua vida tornou-se uma caixa de surpresas, ele logo vai descobrir que vivia uma farsa!
Minha impressão
Eu não costumo ler distopias porque não gosto muito, mas quando alguma me chama atenção eu leio. Quando li a sinopse de "A jornada de Tony Farkas - Operação Guarulhos" eu logo fiquei curiosa e cheia de expectativas. O livro tem uma narrativa tão envolvente que eu não queria parar de ler, as últimas páginas trazem grandes descobertas e momentos de muita tensão. O livro se encerra de uma maneira que é impossível não querer saber o que vai acontecer no próximo volume!

A trama é narrada em primeira pessoa por Tony Farkas, através dele descobrimos o mundo vivendo em um verdadeiro caos no ano de 2070. Quando Tony é resgatado pelo grupo de Paco as coisas começam a mudar, a primeira coisa é que ele não está mais sozinho, passa a lutar ao lado de outros sobreviventes. 

O livro traz algumas situações parecidas com as que vivemos atualmente e, com isso, nos faz refletir. Vemos críticas à política e à alienação que a mídia faz ao manipular notícias; além disso, podemos perceber a dependência das pessoas com o mundo virtual e como não se importam com o próximo desde que estejam seguras e vivendo em conforto. 

É uma obra que explora muito bem cada assunto que aborda e possui um enredo instigante. Os personagens são bem diferentes em características e cada um deles deixa a sua marca na trama. Eu gostaria de falar muito mais sobre essa obra, mas a resenha ficaria gigantesca. Livro recomendado!

Minha nota para o livro
 

9 comentários:

  1. O grande barato da distopia é como um livro promove o questionamento da nossa própria realidade. Fico feliz que você tenha gostado da leitura, mesmo não sendo teu gênero preferido, dá pra perceber que ele te pegou e cativou de um jeito singular! Não conhecia ainda, por isso fiquei bem curiosa para saber mais sobre essa realidade.

    Xoxo <3

    ResponderExcluir
  2. Uau, parece ser uma história cheia de tensão e ao mesmo tempo é muito envolvente. Eu gosto de distopias e já estou ansiosa para saber se o Tony conseguirá chegar ao seu destino. Sua resenha está ótima e estou apaixonada por essa capa haha, muito linda! Obrigada pela dica, bjss!

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Eu adoro histórias envolventes e que dão aquele friozinho na barriga devido a tensão! Apesar de ser meio cética quanto ao gênero ser escrito por um autor nacional (não me julgue, é que eu acho um tema super difícil de desenvolver) a trama parece ser muito bem escrita e com isso fiquei com vontade de ler!
    Já anotei na listinha!

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Apesar de ter gostado muito da sua resenha e a forma como se envolveu com essa trama. Distopia não costuma fazer meu estilo para leitura. Acho muito difícil de me sentir conectada com a proposta futurística que os autores propõem na narrativas.
    Por isso nesse momento não encararia essa leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  5. Que distopia legal!!! Sem contar que se passa por aqui, num futuro distante, mesmo assim, aqui *-* Lendo sua resenha me lembrei de Eu Sou a Lenda, um sobrevivente, que pensa que está sozinho, que tem um cachorro, mensagem no rádio, a promessa de um lugar seguro... O autor deve ter se baseado. Sem contar que amo essas críticas veladas. O que vc disse ali no final, nos representa. Somos muito egoístas e dependentes de tecnologia. Uma geração lastimável!!! Amei. Se eu tiver a oportunidade, gostaria muito de ler. Um beijo e sucesso!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá Bia, tudo bem?
    Ainda não conhecia esse livro, mas adoro distopia e fiquei curiosa para ler, pois curti muito a premissa dele! Fiquei intrigada para entender esse caos apresentado na obra e já meio que simpatizei com o personagem/narrador.
    Vou anotar a dica, pois acho que posso curtir demais.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Nem li o livro e já amei muito! Sou apaixonada por histórias de guerra, e vi na resenha algo que me chamou mais atenção ainda para o livro, se trata de algo futuro. Essa parte me deixou ainda mais curiosa para ler o livro.
    Já tá na lista, com certeza vou amar!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Olá Beatriz,
    Fico feliz que gostou do primeiro livro da trilogia, grato pela resenha e pela sua impressão.
    Você não perde por esperar pelo segundo e o terceiro que estão prontos. Agradeço também aos comentários. Quem quiser entra em contato, estou em todas redes sociais ou pelo email contato@rgwerther.com.
    Mais uma vez, obrigado! R. G. Werther.

    ResponderExcluir
  9. Olá,

    Desconhecia a obra, no entanto, logo de cara já me interessei por esse livro. Faz um bom tempo que não leio distopias e essa me parece ser muito boa, espero ler em breve.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir